fbpx

Você sabia que Charles Spurgeon lutou contra a depressão? | Sofrimento

MensagensSofrimento
Tags:

Uma Verdade Surpreendente

É uma surpresa para alguns que Charles Spurgeon teve uma batalha ao longo da vida com a depressão. Sua reputação de pregador famoso e poderoso, sua inteligência alegre e sua masculinidade de fumar charutos podem nos levar a imaginar que nunca poderia haver uma fenda na armadura inglesa vitoriana. Não deveria ser uma surpresa, é claro: estar cheio de vida em um mundo caído deve significar angústia, e a vida de Spurgeon estava de fato cheia de dor física e mental.

Aos vinte e dois anos, como pastor de uma grande igreja e com bebês gêmeos em casa para cuidar, ele estava pregando para milhares no Surrey Gardens Music Hall quando brincalhões gritavam “fogo”, começando um pânico para sair do prédio que matou sete e deixou vinte e oito gravemente ferido. Sua mente nunca mais foi a mesma. Sua esposa, Susannah, escreveu: “A angústia do meu amado era tão profunda e violenta que a razão parecia se agitar em seu trono, e algumas vezes temíamos que ele nunca mais pregasse”.

Então, a partir dos trinta e três anos, a dor física tornou-se uma característica grande e constante da vida para ele. Ele sofria de uma inflamação dos rins aguda chamada de doença de Bright, assim como artrite, reumatismo e neurite. A dor era tal que logo o impediu de pregar por um terço do tempo. Além disso, o excesso de trabalho, o estresse e a culpa pelo estresse começaram a cobrar seu preço. E tudo isso estava aos olhos do público e foi atacado por seus muitos críticos, não facilitando o seu aguentar. O sofrimento, argumentaram de maneira bastante previsível, foi um julgamento de Deus.

A dor, a política, a oposição e o excesso de trabalho (assim como os lutos, como o de seu jovem neto) afetaram-no profundamente, vindo em ondas. Tanto que hoje ele quase certamente seria diagnosticado como clinicamente deprimido e tratado com medicação e terapia. A depressão podia atingi-lo tão intensamente que, certa vez ele disse: “Eu poderia dizer com Jó: “pelo que a minha alma escolheria, antes, ser estrangulada; antes, a morte do que esta tortura” (Jó 7:15). Eu poderia prontamente ter colocado minhas mãos violentas em mim mesmo, para escapar da minha miséria de espírito”.

“Cristãos em meio ao sofrimento frequentemente precisam ouvir como o sofrimento é uma marca de aliança”.

Sofrimento e Ministério

Em tudo isso, Spurgeon acreditava que Deus tinha um bom propósito em todo o seu sofrimento, e por causa disso, ele se tornou um pastor melhor preparado e mais compassivo. Permitiu que ele fizesse uma palestra impressionante e incomum para seus alunos intitulada “O Desmaio do Ministro”, na qual ele dizia:

“Sabendo, pela experiência mais dolorosa, o que significa depressão profunda do espírito, sendo visitado com ela nas estações, de modo algum escassa ou distante, achei que poderia ser consolador para alguns de meus irmãos se eu desse meus pensamentos nela, que homens mais jovens talvez não imaginem que alguma coisa estranha aconteceu com eles quando se tornaram por uma temporada possuídos por melancolia; e que os homens mais tristes pudessem saber que aquele em quem o sol brilhava com alegria nem sempre andava na luz”.

Antes de buscar alívio de tal melancolia, Spurgeon procurou entender os propósitos de Deus nessas coisas para que ele pudesse realmente lucrar com a experiência. Está bem claro nas Escrituras que através do sofrimento dos crentes, Deus os refina como o ouro em uma fornalha (1Pedro 1: 6-7). No entanto, escreveu Spurgeon, “quando o ouro sabe onde e porque está no fogo. . . agradecerá ao refinador por colocá-lo no cadinho e encontrará uma doce satisfação mesmo nas chamas”.

Spurgeon viu que nosso Pai celestial ordena sofrimento para os crentes. Embora nossas provações possam vir do mundo, da carne e do Diabo, elas são anuladas e ordenadas por Deus, que as trata como uma parte importante de nossa nova vida em Cristo. Para começar, simplesmente não poderíamos ser como Cristo se não formos tratados como ele, se tivermos uma vida fácil quando ele tiver muita dor. “Você espera ser coroado com ouro, onde ele foi coroado de espinhos? Os lírios crescerão para você e os espinhos para ele?”

Teologia para o Sofrimento

Isso tudo pode parecer uma má notícia para o crente. Afinal, quem quer se machucar? No entanto, estudando as vidas de homens eminentes, Spurgeon chegou à conclusão de que aqueles que nunca têm que atravessar as ondas de dificuldade nunca crescem em força e maturidade como aqueles que o fazem. Aqueles que vivem no luxo e nunca experimentam a disciplina do problema tendem a ser sempre mais frágeis e fracos em sua fé. No todo, portanto, “é bom que o homem suporte o jugo; bom para um homem enfrentar as ondas; bom que um homem passe pelo fogo e pela água, e assim aprenda lições sublimes. ”

O problema pode ser fortalecedor e o problema pode revelar o trabalho que precisa ser feito em nós. Lágrimas que, Spurgeon descobriu através da experiência, podem limpar o olho para que possamos ver com uma visão e perspectiva melhoradas. Perdas revelam a insuficiência de todas as coisas ao nosso redor que valorizamos, permitindo-nos apreciar mais a suficiência de Cristo.

Sendo um pastor, ele estava sensivelmente consciente de como dar tal teologia para as pessoas que estão sofrendo de dor. As maneiras pelas quais um crente pode se beneficiar do sofrimento não podem ser levadas friamente para aqueles que estão se recuperando e chorando. Há um tempo simplesmente para sentar e chorar com eles. E ainda assim, ele descobriu, existe para todos os crentes, independentemente de seu estado emocional, um conforto maravilhoso a ser encontrado em conhecer a providência paterna de Deus.

Além de ouvir sobre a amorosa e poderosa paternidade de Deus, os cristãos em meio ao sofrimento frequentemente precisam ouvir como o sofrimento é uma marca de aliança. Naturalmente, somos rápidos em aceitar que o sofrimento significa que Deus está contra nós ou de alguma forma enfraqueceu em seu amor e cuidado por nós. Isso não é assim. “A depressão do espírito não é um índice de graça declinante; a própria perda da alegria e a ausência de segurança podem ser acompanhadas pelo maior avanço na vida espiritual ”. Não devemos, portanto, nos desapontar facilmente com nossos problemas: em um mundo deficiente, amigos nos decepcionarão, feriremos, e sentiremos nossa fragilidade e vazio. Mas nada disso é qualquer indicação de que nosso pai tenha esquecido ou falhado, nem que possamos não mais ser úteis.

Estratégias para alívio

A partir de 1871, ele procurou cada inverno para escapar da escuridão, do frio e da sujeira de Londres, retirando-se para Mentone, na Riviera Francesa. Lá, ele encontrou no cálido calor e na luz um reviver natural do corpo e da mente. E quando ele não conseguiu chegar tão longe, ele achou que um simples passeio pelo campo ajudaria. Para ele, os charutos eram um meio aceitável e agradável de relaxamento quando a vida era esmagadora. “Senti-me grato a Deus”, escreveu ele ao Daily Telegraph, quando “descobri uma dor intensa aliviada, um cérebro cansado acalmado e um sono tranqüilo e refrescante obtido por um charuto”.

Além de recomendar tais paliativos físicos para o sofredor mental, Spurgeon pediu cautela ao paciente em fazer qualquer avaliação da situação. Ele sabia quão rápido somos para assumir, quando recuados e deprimidos, que a graça nos deixou, ou que nos tornamos inúteis. Nesses momentos, em vez de buscar uma compreensão definitiva do “o quê” e do “por que” da nossa situação, devemos simplesmente nos apegar às promessas de Deus. Tendo em todos os momentos uma verdade objetiva que não depende da nossa capacidade de sentir a sua verdade, as promessas de Deus são como uma luz que não pode ser superada pelas nossas trevas.

Elas são um conforto imutável e infinito além do alcance de nossos problemas e dúvidas finitas. Foi por essa razão que Susannah Spurgeon tinha Mateus 5: 11–12 aberto, para que eles vissem todos os dias em seu quarto: “Bem-aventurados são quando os homens vos insultarem e te perseguirem e disserem toda espécie de mal contra vós falsamente, por minha causa. Alegra-te, e alegrai-vos, porque é grande a tua recompensa nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós”.

Conforto em Cristo

Ao ministrar ao abatido, os pastores geralmente apontam as pessoas para a ressurreição e a vitória de Cristo. E o pensamento de morte derrotada, lágrimas sendo enxugadas, e trocar os capacetes e espadas de nossa luta por galhos de palmeira e coroas era um conforto essencial para Spurgeon. No entanto, ao pastorear o sofrimento e a depressão, ele parecia mais frequentemente ter pessoas concentradas em Cristo crucificado e como o Homem das Dores.

Spurgeon descobriu por si mesmo que em épocas de grande dor, a “simpatia de Jesus é a coisa mais preciosa ao seu sacrifício”. Novamente, Spurgeon retornou ao tema da compaixão de Cristo por seu povo sofredor. Em um sermão de 1890 intitulado “A ternura de Jesus”, por exemplo, ele falou, enquanto sentia sua própria fraqueza, sobre Cristo como o Sumo Sacerdote que sente por nós em nossas enfermidades. Ele disse:

“Esta manhã, sendo eu mais do que habitualmente cercado de enfermidades, desejo falar, como um pregador fraco e sofredor, daquele Sumo Sacerdote que é cheio de compaixão: e meu anseio é que qualquer um que seja baixo em espírito, fraco, desanimado, e mesmo fora do caminho, pode ser sincero se aproximar do Senhor Jesus. . . Jesus é tocado, não com um sentimento de sua força, mas de sua enfermidade. Aqui embaixo, os pobres e frágeis afetam o coração de seu grande Sumo Sacerdote no alto, que é coroado de glória e honra. Como a mãe se sente com a fraqueza de seu bebê, Jesus também se sente com os mais pobres, os mais tristes e os mais fracos de seus escolhidos.

No sofrimento, então, não é só o caso de nos aproximarmos de Cristo, tornando-nos mais parecidos com ele e nos apoiando mais plenamente nele. Em tais ocasiões, Cristo se aproxima de nós para andar com seu povo na fornalha. E não apenas andar conosco, mas nos fazer passar”. 

 


Originalmente publicado em inglês como: “ Did you know that Charles Spurgeon struggled against depression?” por Michael Reeves. Usado com permissão da Crossway, a publishing ministry of Good News Publishers, Wheaton, IL 60187, www.crossway.org.
Traduzido por Igor José Santos Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esboços Relacionados

Menu