Família

O propósito de Deus para a família II | Família

Por 14 de setembro de 2018 0 Comentários

Muitas pessoas hoje  oram por um reavivamento geral na igreja, no Brasil e no mundo.  Mas creio que muitos estão olhando no lugar errado.  Creio que o verdadeiro reavivamento há de começar justamente no lugar que Satanás está mais atacando hoje: o lar.  Baseio minha convicção no fato de que o apóstolo Paulo descreve as evidências de um “reavivamento” (a plenitude do Espírito) em Efésios 5:15-6:9 como acontecendo no contexto do lar.  Para termos um reavivamento de verdade, teremos que começar com a primeira instituição: a família.  Mas para isso acontecer, teremos que voltar às bases para redescobrir o propósito que Deus tem para a família. 

O primeiro grande propósito  de Deus para a família é simplesmente  Espelhar a Imagem de Deus. Existe um segundo propósito que Deus tem para a família, e que a faz “erguer seus olhos, para ver os campos já  brancos  para a ceifa . . . “:  A família existe para ESPALHAR o reino de Deus. 

Este segundo grande propósito de Deus envia a família para ser um “centro de missões” (e não um campo missionário!).  Infelizmente, muitas pessoas não têm esta perspectiva exaltada da importância da família no plano de Deus.  Para algumas, a família não passa de uma conveniência: alguém lava minha roupa, prepara meu almoço, divide as despesas comigo, concerta a pia e dorme ao meu lado.  Para outras, a família já não é uma conveniência, mas uma aflição a ser suportada.  As crianças exigem “coragem” para criar, o marido não presta e a esposa só incomoda.  Até alguns ministros encaram a família como um empecilho que frustra sua realização da “obra de Deus”. 

Mas a família é muito mais que isso.  A família é nosso maior recurso natural para alcançar o mundo.  A família existe para produzir uma herança piedosa na terra, e já é um meio ideal para evangelizar e discipular o mundo.  E sempre foi assim.  Desde Adão e Eva, Deus tem usado famílias para alcançar o mundo.  Como já vimos, o primeiro casal recebeu a “comissão” de encher a terra com novas imagens para a glória de Deus.  Anos depois da queda, Noé recebeu exatamente a mesma ordem, sem dúvida mais difícil depois da Queda, mas a mesma ordem (Gn 9:1).  Abraão, o “pai de muitas nações”, foi escolhido para que sua família fosse uma bênção trazendo salvação às nações.  E o próprio Senhor Jesus veio para a terra  morar em família. 

Com seu potêncial incrível de alcançar pessoas, a família se torna um centro de círculos concêntricos de ministério que visam alcançar o mundo.  Estas esferas de ministério são alistados em ordem de prioridade.  Todos, porém, podem e devem acontecer ao mesmo tempo. 

O ministério da família começa entre marido e esposa 

Antes de ministrar para o mundo, Deus chama o casal para ministrar um para o outro.  Em Gênesis lemos que, quando Deus criou o homem, ele era incapaz de realizar todo o plano divino para sua vida (“não é bom que o homem esteja só”, Gn 2:18).  Deus criou a mulher justamente para completar o que faltava no homem, e vice-versa.  O ministério marido-esposa e esposa-marido acontece pelo fato de que Deus criou a mulher como “auxiliadora idônea”. 

Muitas idéias errôneas existem sobre a frase “auxiliadora idônea”, como se a mulher fosse uma empregada doméstica caprichosa.  Nada podia ser mais longe da verdade.  A palavra “auxiliadora” foi usada no Velho Testamento de somente mais um indivíduo: Deus!  Só que quando o termo se refere a Deus, a tradução normal é “Socorro, Auxílio, Amparo”.  Em outras palavras, Deus colocou alguém semelhante a Ele ao lado do homem para “socorrer o homem” (não para ser pisada por ele!). 

O termo “idônea” literalmente significa “conforme o oposto”.  A mulher corresponde ao homem, e por isso pode ter comunhão com ele, mas ela também é diferente, com dons, talentos, perspectivas e ideais que completam o que falta no homem.  Obviamente o oposto é verdade também: o homem é o que a mulher não é.  Como já vimos, esta “unidade em diversidade” é o gênio do casamento.  Em vez de competir, o casal deve completar um ao outro.  Em vez de tentar criar o cônjuge à nossa própria imagem, devemos apreciar as diferenças entre nós.  Em vez de diminuir as diferenças entre os sexos (nas modas de roupa, “jeitão” de ser, etc.) devemos valorizá-las.  Cada casal deve estabelecer a prioridade de ministrar um para o outro conforme o plano original de Deus e coerente com os papeis esboçados pelo apóstolo Paulo em Ef. 5:22-23.  O ministério de alcançar  o mundo começa bem no lar, com o ministério marido-esposa. 

O ministério da família estende-se para o discipulado dos filhos

Quase todo texto na Palavra de Deus que fala do relacionamento pai-filho destaca a importância de discipular os nossos filhos (Dt 6:4-9; Sl 78:1-8; Pv 22:6; Ef 6:4).  Deus criou a família para encher a terra com pessoas tementes a Deus.  A queda dificultou mas não anulou a comissão.  O lar cristão deve ser o centro de evangelismo e discipulado dos filhos.  

Infelizmente, muitos pais hoje se preocupam com tudo menos seu ministério como “pastores-sacerdotes” do lar.  Trabalhamos duro para por pão na mesa e roupas de grife nas costas.  Procuramos as melhores escolas.  Corremos para cá e para lá para aulas de piano, dança, inglês.  E levamos nossos filhos para a Escola Bíblica Dominical.  Mas somos piores que incrédulos se não suprimos as necessidades espirituais no nosso lar.  Este discipulado acontece através de convivência, exemplo, ensino formal e informal (Dt 6:4-9). 

Paulo deixa claro que os pais que sabem “pastorear” seus próprios filhos são qualificados para liderar a igreja (1 Tm. 3:4, 12). O discipulado de nossos filhos nos autoriza para ministrar para o mundo. 

O ministério da família visa alcançar o mundo

Assim como a família sempre foi usada por Deus para executar seu plano na terra, a família continua sendo grande “centro de missões”.  Mas como? 

Primeiro, a família prepara filhos para alcançarem o mundo.  O preparo destas “flechas” que Deus coloca “nas mãos do guerreiro” (Sl 127:4) visa afiá-las e lançá-las para penetrar o coração do mundo. 

Segundo, o exemplo da família chama a atenção do mundo.  Nestes dias de caos familiar, uma família feliz e razoavelmente bem-estruturada chama muita atenção.  “Por que sua família é diferente?” é uma pergunta que abre a porta para o evangelho (1 Pd 3:15). 

Terceiro, a própria família pode alcançar o mundo ministrando juntos, contribuindo para a obra do Senhor, apoiando a igreja local, fazendo viagens missionárias, desenvolvendo projetos especiais (programas evangelísticos, EBF, etc.) sustentando missionários, orando pelo mundo, hospedando obreiros, e muito mais.  Não há limites no que pode ser feito através da família! 

Creio que Deus ainda quer nos dar um reavivamento espiritual.  Mas para isso acontecer, a família terá que voltar às suas raízes e redescobrir sua razão de existir: espalhar a imagem de Deus, e espelhar o reino de Deus.  Que o reavivamento venha, uma família de cada vez: sua família, e minha. 


Já se inscreveu para a Consciência Cristã 2019? Inscreva-se gratuitamente aqui

Davi Merkh

Davi Merkh

Pr. Davi Merkh, natural do Estados Unidos, é casado com Carol Sue Merkh. Davi é professor do Seminário Bíblico Palavra da Vida (SBPV) desde 1987, onde coordena o programa de Mestrado em Ministérios. Formado em teologia (AT) pelo Dallas Theological Seminary (EUA), Davi tem doutorado em ministério (ênfase ministério familiar). É pastor auxiliar de exposição bíblica na Primeira Igreja Batista de Atibaia (PIBA).

Deixe seu comentário