Aprendendo a persistir 

Não há como você aprender a resistir sem ter que continuar passando por algo difícil que não vai embora. De jeito nenhum você vai aprender a paciência sem ter que encarar algo que você realmente deseja que não tivesse, e de alguma forma precisa lidar com isso. 

Martinho Lutero disse que ele tinha três mestres e os tirou do Salmo 119. Ele disse que o primeiro mestre (em latim) é meditatio. Isso é meditação ou reflexão sobre as Escrituras, levando as palavras ao coração, lutando com quem Deus é e o que ele diz em relação a quem você é. Todas essas coisas são obviamente de força total no Salmo 119, que diz algo sobre a Palavra de Deus em todos os versos. 

Lutero diz que o sofrimento é o critério chave. É o que prova que nossa fé é real  

O segundo mestre é a oração, ou em latim, oratio. No Salmo 119, provavelmente há setenta ou oitenta pedidos diretos, expressivos e pungentes como o Senhor, não me abandone. Senhor, me faça entender isso. Senhor, me acorde. Senhor, incline meu coração. Senhor não me deixe. . . Há um grito apaixonado – por necessidade – para que Deus intervenha que cresce da reflexão sobre as Escrituras. Curiosamente, o terceiro mestre de Lutero é aflição, e é outra coisa subestimada no Salmo 119. A aflição aparece em quase toda parte: a sensação de escuridão, a sensação de ameaça, a sensação de dor. 

O valor da aflição 

O autor chega a dizer que foi bom que eu estivesse aflito para aprender a guardar a sua Palavra. O salmo é notório por ser difícil encontrar uma estrutura maior. Parece que a única estrutura é de A a Z e, como em letras hebraicas, isso não significa nada para nós. 

Mas existe uma estrutura que se relaciona com o sofrimento, onde a última linha da primeira seção circunda Deus para não abandonar. A última linha de todo o salmo (a vigésima segunda seção) implora a Deus a não abandonar. É típico que algo significativo aconteça no meio da poesia hebraica. No centro do salmo há uma reflexão sobre mágoa, desapontamento e dor. É uma das poucas áreas em que muitos dos versículos consecutivos estão todos no mesmo tema. 

Lutero diz que o sofrimento é o critério chave. É o que prova que nossa fé é real. Eu testemunho da minha própria experiência. Eu sou cristão há mais de quarenta anos, e geralmente é através da luta com algo que minha fé teve que crescer. Eu posso olhar para trás e dizer Vinte anos atrás, eu era mesmo um cristão? Eu não consigo entender. Dez anos atrás, eu era mesmo um cristão? Eu não consigo entender.  

Eu era um cristão, mas parte do “entender” o que significa ser um seguidor do Senhor que andou na estrada da morte, sofrimento, traição e humilhação e saiu para a ressurreição e é a vida que você tem que andar, pegue sua cruz e siga-o.  

Na verdade, é a maneira pela qual aprendemos as lições mais profundas e melhores que poderíamos aprender. É onde a fé, o amor e a alegria são mais profundamente formados. 

 


Originalmente publicado em inglês como: “ How suffering can be your teacher?” por David Powlison. Usado com permissão da Crossway, a publishing ministry of Good News Publishers, Wheaton, IL 60187, www.crossway.org.
Traduzido por Igor José Santos Ribeiro


Já se inscreveu para a Consciência Cristã 2019? Inscreva-se gratuitamente aqui

Deixe seu comentário