Vida Cristã

30 segundos a sós com Deus | Mídias Sociais

O efeito do smartphone em nossas orações 

 Nossos hábitos no Twitter e no Facebook tornam a oração mais difícil do que nunca. Mas antes de olharmos para as estatísticas, vamos aproveitar um momento para apreciar a magia da vida consciente, a capacidade de nos concentrarmos em uma coisa, como este artigo e essa frase que se desdobra, seguindo-a até terminar com um pontinho. Sem dúvida, como leitor, você está lutando contra o desejo digital crônico de dar uma olhada. 

Nós damos nossa atenção porque temos atenção para dar. Com a nossa atenção, podemos atender a uma coisa e evitar outra coisa. O poder de fixar faz parte do milagre de Deus na criação. Sem atenção, a fé seria impossível. Deus não apenas nos criou para viver e respirar e andar, como suas outras criaturas; ele quer que nós também acreditemos nele e confiemos em sua palavra, para ouvir. O escopo completo de nossa vida afetiva se torna precioso quando a vemos como nossa capacidade de participar. 

O ajuste da mente é a base de nossa devoção a Cristo e dá origem a todo amor e anseio em nosso coração. O que nossos olhos perduram, nossos corações aprenderão a amar. O que nossos corações amam, nossos olhos permanecerão. Quando pela graça sobrenatural Cristo se torna o maior prêmio em nossa vida, então ele se torna o foco supremo de nossa atenção. Assim, Paulo nos desafia a

“colocar suas mentes nas coisas que estão acima, não nas coisas que estão na terra” (Colossenses 3: 2). 

Mas na era digital, nossa atenção enfrenta múltiplas tensões. Todos os dias, damos atenção a filmes e novas músicas, livros e artigos on-line, além de GIFs virais e tendências do Facebook. Temos apenas muitas horas de despertar, apenas muitas horas do café, apenas tantas maneiras de ouvir, assistir e ler até mesmo uma pequena fração do conteúdo que flui infinitamente de nossos feeds e amigos. 

O alcance de nossa atenção é de grande interesse para Deus. Muito antes de a era da mídia trazer mudanças profundas na maneira como reproduzimos e multiplicamos as páginas na imprensa, e muito antes de as notícias (e fake news) zumbirem e soarem nos nossos smartphones, Deus sempre se preocupou com nosso foco. 

 

Atenção ao Evangelho 

A fidelidade do evangelho é sobre atenção. Em oitenta lugares da Bíblia, o povo de Deus é chamado a prestar atenção, que é a linguagem urgente da atenção. 

 Especificamente:  

  • Precisamos manter a palavra de Deus sempre à nossa frente e em todos os cenários (Deuteronômio 6: 4–9; 11: 18–19). 
  • Devemos priorizar nossos dias com o propósito de viver sem distração (1 Coríntios 7:35). 
  • Não devemos permitir que o negócio da vida nos consuma (Lucas 10: 38-42). 
  • Nunca devemos deixar que as trivialidades deste mundo nos façam negligenciar as riquezas do evangelho (Mateus 13: 22–23). 
  • Devemos estar atentos (1 Coríntios 16:13). 
  • Devemos ser sóbrios (Tito 2: 2; 1 Pedro 1:13; 4: 7; 5: 8). 
  • Devemos permanecer eternamente alertas (Apocalipse 3: 2-3; 16:15). 

 Em todas essas áreas, e em outras, Deus nos chama para guardar nossa atenção. 

Bem-vindo à Economia da Atenção 

Dentro da urgência do retorno de Cristo, historicamente, a igreja tem desfrutado de um canto no mercado de atenção. Mas esse domínio agora já é longo, como o professor de direito e especialista em tecnologia Tim Wu explica em seu novo livro, The Attention Merchants: The Epic Scramble to Get Inside Our Heads (Os mercadores de atenção: A batalha época para entrar em nossas cabeças). 

Com certeza, não é como se antes do século XX todo mundo andasse por aí pensando em Deus o tempo todo. No entanto, a Igreja era a única instituição cuja missão dependia de galvanizar a atenção; e através de seus escritórios diários e semanais, bem como seu papel às vezes central na educação, é exatamente o que conseguiu fazer. Na aurora das indústrias da atenção, então, a religião ainda era, em um sentido muito real, a operação incumbente, o único esforço humano em grande escala projetado para capturar a atenção e usá-la. Mas, no decorrer do século XX, a religião organizada, que resistira às dúvidas levantadas pelo Iluminismo, se mostraria vulnerável a outras reivindicações e usos de atenção. 

Apesar da promessa da vida eterna, a fé no Ocidente declinou e continuou a fazê-lo, nunca mais depressa do que no século XXI. Oferecendo novos consolos e estranhos deuses, os rivais comerciais da atenção humana certamente devem figurar nesse declínio. 

Atenção, afinal, é basicamente uma quebra de braço.  

Agarrar a atenção é onde os lucros das empresas são feitos, razão pela qual a publicidade é tão potente. Os produtos precisam de tempo para piscar em pixels diante dos nossos olhos. Essa monetização do olhar deu origem ao que hoje é chamado de “economia da atenção”, dirigido por “mercadores de atenção”. O fim do jogo é lucrar com a nossa atenção. Assim, a competição por nosso olhar – e a competição por nossas carteiras – é dura. 

 Posso ter sua atenção, por favor? 

Wu faz um ponto importante, se for um pouco exagerado. 

Primeiro, Jesus foi claro ao advertir o primeiro século para se proteger do desejo de riqueza. O amor ao dinheiro é uma idolatria corrosiva e uma falha de atenção do coração do evangelho (Mateus 13:22). Nossa eterna atenção sempre esteve voltada para as coisas do mundo. Assim, a igreja nunca desfrutou de exclusividade no mercado de atenção humana. Mas a observação de Wu é importante para ver, especialmente quando ele traça os magnatas do “comércio de atenção” que monetizaram a imprensa, rádio, televisão e, eventualmente, o smartphone. Eles competem com o evangelho pelo olhar humano. 

Mas como a atenção humana – para todos os seus propósitos gloriosos – é um recurso finito, teoricamente, nossa atenção é um jogo de soma zero. No entanto, ainda tentamos preencher nossas vidas com mais e mais mídia. De acordo com um relatório Nielsen de 2016 sobre o uso de mídia, os adultos americanos, agora usam a mídia por 10 horas e 39 minutos todos os dias, um aumento acentuado de uma hora em relação a um ano antes (9 horas e 39 minutos). 

Gasto médio diário de tempo da população norte-americana


FONTE: https://www.desiringgod.org/articles/thirty-seconds-alone-with-god 

 

Observe cuidadosamente o que mudou e o que permaneceu o mesmo aqui. 

Mais obviamente, esse aumento de 2016 na mídia usa fatores para a onipresença de dispositivos móveis, como tablets e smartphones. Em outras palavras, o uso de smartphones atrai mais atenção sem tirar muito tempo de investimentos em televisão, música, jogos e computadores. 

Apesar de algumas previsões sugerirem que a mídia social vai começar a afastar os telespectadores e a receita publicitária da televisão em 2017, as estatísticas da Nielsen confirmam a crescente suspeita de que nossos dispositivos móveis, nossos tablets e especialmente nossos smartphones estão preenchendo mais e mais as pequenas lacunas da vida com materiais consumíveis perfeitamente dimensionados. 

Neste, o aniversário de dez anos do iPhone, o dispositivo de sonho do comerciante de atenção, cada um dos meus momentos de despertar agora são mirados. 

“O celular é um ótimo mercado. É o maior mercado que a indústria de tecnologia, ou qualquer indústria, já viu”, escreveu o analista de tecnologia Ben Thompson em 2015. Por quê? “É somente quando estamos fazendo algo específico que não estamos usando nossos telefones, e os espaços vazios de nossas vidas são muito maiores do que se imaginava. Nesse vazio, esse mercado massivo, tanto em termos de números quanto de tempo disponível, veio como o produto perfeito”. 

Os smartphones permitem que a economia de atenção aproveite nossos pequenos intervalos de atenção de 30 segundos à medida que fazemos a transição entre tarefas e tarefas. No passado, esses momentos se mostraram mais difíceis de serem segmentados. 

Nossa atenção é um pouco elástica, elástica o suficiente para preencher cada lacuna vazia de silêncio em nossos dias, mas no final ainda é uma quebra de braço. Temos um tempo limitado para nos concentrar em um determinado dia, e agora cada segundo de nossa atenção pode ser mirado e comoditizado. 

Nunca pare de orar 

De volta a oração. A oração requer nossa atenção centrada no divino. Por um momento (ou mais), oramos conscientemente ao Pai, em nome e sangue do Filho, através do Espírito Santo – não apenas em nossas súplicas matinais, ou ações de graças às refeições, mas pequenas petições de vida em nossos dias. 

Paulo nos chama para a disciplina da oração. Não devemos apenas orar sem cessar (1 Tessalonicenses 5:17), devemos orar sem cessar em espírito de alerta destemido (Efésios 6:18) – isto é, com toda a nossa atenção. 

Talvez o melhor exemplo do que significa viver uma vida produtiva enquanto se ora sem cessar vem da vida do pregador do século XIX Charles Spurgeon, que compartilhou seu segredo com um amigo próximo: “Eu sempre sinto que é bom por algumas palavras de oração por entre tudo o que faço”. 

Orar sem cessar não é uma negligência dos deveres diários. Não é multitarefa com a nossa atenção dividida metade em Deus e metade no trabalho. É sobre reivindicar as transições momentâneas em nossos dias, os raros momentos vazios de silêncio, para focar nossa atenção no próprio Deus. 

Buscando nossas orações 

Então, se o olhar humano é espiritualmente valioso e comercialmente comercializável, para onde vai minha atenção? O que tem minha atenção? Ou melhor, quem tem a minha atenção, especialmente nas lacunas e transições do meu dia? 

Um franco Charles Spurgeon poderia dizer a você, amigo: “Eu sempre sinto que é bom por algumas palavras de oração por entre tudo o que faço”. Quando estou sendo honesto, eu digo: “Eu sempre sinto que é bom publicar um tweet ou dois entre tudo que faço”. 

Nas pequenas fissuras do tempo em meu dia, com minha atenção limitada, estou mais apto a falar nas mídias sociais do que a orar. Essa é a honestidade visceral da situação. E por causa dessa negligência, Deus parece estar mais distante da minha vida como resultado. 

Como Pedro nos diz: “Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações”.(1 Pedro 4: 7). Tudo isso molda o que deveríamos estar fazendo com as margens e lacunas em nossa atenção diária. 

Sim, existem aplicativos e alertas para nos lembrar de orar. E podemos usá-los. Mas na era digital, cada fragmento de nossa atenção pode agora ser reivindicado e monetizado pelos comerciantes de atenção. Nossa atenção é finita. Mas nosso chamado para oração constante é claro. É hora de ser sincero: o pior de nossos hábitos compulsivos de mídia social nos espaços vazios de nossas vidas está corroendo nossas vidas de oração. 

Originalmente publicado em inglês como “Thirty seconds alone with God” por Tony Reinke. © Desiring God Foundation. SourcedesiringGod.org 
Traduzido por Igor José Santos Ribeiro

 

 

 

 


Já se inscreveu para a Consciência Cristã 2019? Inscreva-se gratuitamente aqui

Deixe seu comentário