Vida Cristã

Diante do trono de curtidas sociais | Mídias Sociais

Quatro amigos meus excluíram recentemente suas contas de mídia social. Sem mais Instagram, Twitter ou Facebook. Eles estão acabados. É claro que eles continuam a ler e escrever blogs, responder e-mails e interagir on-line aqui e ali. Mas eles acreditam que o uso das mídias sociais impede seu crescimento espiritual. 

Sempre que alguém me diz que está cortando mídias sociais por motivos espirituais, eu aplaudo. O cultivo da virtude pessoal é muito mais do que o cultivo de uma plataforma pública. 

 “A mídia social pode nos seduzir a encontrar nossa aprovação e satisfação com a atenção que recebemos”. 

 Ainda assim, reconhecemos que as pessoas que saem do mundo das mídias sociais são muito menos numerosas do que as pessoas que se juntam a cada semana. Nossa geração e a próxima serão formadas cada vez mais – para o bem ou para o mal – por essa conectividade constante. 

Então, como cristãos que querem ser fiéis a Jesus nesta época, precisamos considerar o que nossa interação on-line está fazendo em nossos corações. Como esses hábitos on-line nos moldam? Quais são os benefícios, as promessas e os perigos? 

 Em busca do mítico “Like 

Encorajo-me a ver novos livros de Andy Crouch e Tony Reinke fornecendo conselhos sábios sobre novas tecnologias. Como os nossos telefones são uma parte tão importante de nossas vidas, dediquei o primeiro capítulo de um novo livro à ideia de que o telefone é um “contador de mitos”. Com a gente, em todos os momentos, é um dispositivo adaptado às nossas necessidades, reforçando o mito de que somos o centro do universo. E as mídias sociais podem nos seduzir a encontrar nossa aprovação e satisfação com a atenção que recebemos. 

 Alguns usuários de mídias sociais mais jovens às vezes se referem à sua presença on-line como um “jogo”. E, com certeza, você pode identificar um elemento de competição social no trabalho em seus hábitos on-line. Como qualquer jogo, o mundo social tem vencedores e perdedores, fama e vergonha, pontuações e contratempos. No Instagram, Facebook e Snapchat, você pode ver o mundo social de sua escola ou faculdade mapeado. A popularidade e a pressão dos colegas agora podem ser medidas – com base em curtidas e comentários em contextos de mídia social. 

 Além disso, esse jogo amplia seu alcance para o mundo dos negócios e para nossas vidas pessoais, uma vez que os anos de escolaridade acabam – quando estamos buscando nossas carreiras ou começando como pais. O que significa que isso não é apenas um mundo para a angústia adolescente. Todos nós temos o potencial de sermos afetados. 

Visto sob essa luz, um “curtir” em um post no Facebook ou uma foto do Instagram é um símbolo de status social. Representa muito mais que um simples aceno de afirmação. Reunir “curtir” ou aumentar “seguidores” ou extrair “comentários” é construir um significado social em público. Por outro lado, a ausência de gostos pode nos fazer sentir como se estivéssemos sendo julgados em silêncio, ou que não somos tão populares quanto pensamos que somos. 

Nós caímos no mito de que, a menos que algo aconteça em público, não é tão real, nem importante, nem duradouro.” 

 Selfies com folhas de figueira 

O que acontece quando investimos gostos e comentários com esse poder mítico de determinar nosso status social? Por um lado, nós caímos no mito de que, a menos que algo aconteça em público, não é tão real, nem importante, nem duradouro. Transformamos nossos telefones em câmeras porque achamos que capturar um momento no filme e publicá-lo on-line é a maneira de provar que esse evento aconteceu e é importante! É uma forma de provar nosso valor e nos colocar em público. A menos que sejamos vistos, tememos que não tenhamos importância. Ou como Os. Guinness disse: “Eu posto, logo existo”. 

Por outro lado, nos escondemos criando uma persona on-line que queremos que os outros vejam e admiram. Mesmo ser “real” sobre nossas lutas e pecados pode ser uma maneira de obter apoio e admiração. Nós escondemos as partes de nós mesmos que nos preocupamos que trariam rejeição, enquanto nós promovemos as partes de nós mesmos, esperamos que trará glória. 

Coloque essas duas práticas juntas e ficamos com um conflito paradoxal: on-line, nos escondemos à vista. Adão e Eva – vestidos com folhas de figueira, tirando uma selfie. 

Neste ambiente, as “curtidas” mantêm o controle sobre nós. Fazemos o check-in e contamos as curtidas e comentários e as estatísticas do blog, porque esperamos ser confirmados da maneira como nos apresentamos. O telefone torna-se um intravenoso pingando a droga de “curtidas” em nossos corações, até que nos encontramos transformando-se em viciados em desejo de afirmação. Para manter nosso controle sobre nossa imagem, nos tornamos a pessoa que achamos que os outros gostam em vez da pessoa que conhecemos, que Deus nos chama para nos tornarmos 

 Elevado e Amado 

Deus preparou um remédio para esse problema. Para alguns, isso pode significar seguir meus amigos que deletaram suas contas para se concentrar mais em seguir a Cristo. Mas deixar o Facebook ou o Twitter não lida imediatamente com o coração – quer permaneçamos ou partamos, precisamos deixar a verdade do evangelho quebrar nosso desejo por “curtidas”.  

Seja o orgulho que impulsiona nossos hábitos sociais ou um sentimento de inferioridade, a resposta é a mesma: o trabalho culminante de Deus para nós no sacrifício de seu Filho:  

Na cruz, estamos totalmente expostos e totalmente nivelados. Na cruz, somos totalmente conhecidos e amados. Nenhuma hierarquia social está diante do tribunal de Deus.  

“Se tu, Senhor, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá?” (Salmo 130: 3)  

Resposta: Nenhum de nós. Nossa lista de pecados supera de longe todos os gostos ou métricas online que poderíamos ganhar no jogo social. 

A cruz também nos lembra que o Deus que nos conhece plenamente é também o Deus que nos ama plenamente. Ele sabe tudo sobre nós, não apenas o que escolhemos apresentar on-line. Nós não ganhamos sua aprovação. Em Cristo, já temos isso. Nossas boas obras fluem porque ele nos aceitou, não o contrário.  

 

“Na cruz, estamos totalmente expostos e totalmente nivelados. Na cruz, somos totalmente conhecidos e amados plenamente”. 

 

Busca de Curtidas ou busca do amor? 

Se você sentir a queda do jogo social, fale com os outros. Tire um tempo longe do mundo online. Monitore seus hábitos online. Mergulhe nas Escrituras em vez de percorrer uma linha do tempo. Resista à vontade de praticar sua justiça on-line para ser visto pelos outros. 

Tudo isso pode parecer trivial, mas lembre-se, estamos falando sobre algumas das questões mais profundas do coração: cuja aprovação valorizamos e de quem tememos o julgamento. Deus não é glorificado, e não estamos verdadeiramente satisfeitos, com a afirmação superficial de mais curtidas, compartilhamentos e seguidores.  

Ser fiel em nossos dias significa desistir da busca de curtidas e viver como pessoas em busca do amor. 

 

Originalmente publicado em inglês como “Before the throne of Social Likes” por Trevin Wax. © Desiring God Foundation. SourcedesiringGod.org
Traduzido por Igor José Santos Ribeiro


Já se inscreveu para a Consciência Cristã 2019? Inscreva-se gratuitamente aqui

Deixe seu comentário