SexualidadeVida Cristã

Você pode se arrepender sem mudar? | Vida Cristã

O começo no fim para o pecado sexual 

Por mais de 25 anos, tenho aconselhado homens e mulheres cristãos que viveram no cativeiro do pecado sexual. Eu me encontrei com pessoas que contrataram prostitutas, tiveram casos, eram viciados em pornografia, mentiram e culparam um dos cônjuges por seus problemas. Eu escutei enquanto eles descreviam perda financeira, perda de emprego, perda de sono e perda familiar, tudo devido a pecado sexual. 

“Por 25 anos, tenho aconselhado homens e mulheres cristãos que viveram em cativeiro ao pecado sexual”. Tweetar no Facebook 

Quando olhamos para o futuro, vemos que as ameaças espirituais e relacionais do pecado sexual são ainda maiores na próxima geração. Os pré-adolescentes estão cada vez mais se envolvendo em sexo oral, e grande parte, provavelmente, acessam pornografia (intencionalmente ou não), muitas vezes iniciando uma vida de escravidão. Algumas gerações atrás, os relacionamentos de namoro para adolescentes passaram da varanda para o banco de trás, mudando o comportamento sexual para sempre. Hoje, amizade colorida e fotos íntimas estão se tornando cada vez mais normais. 

O já grave problema do pecado sexual na igreja está se tornando ainda mais sério. 

 O Diagnóstico dita o Tratamento 

Um ponto crítico para abordar a crescente quantidade de pecado sexual na igreja é entender que o comportamento pecaminoso é uma indicação de um problema mais profundo. 

 Tragicamente, nossa cultura terapêutica freqüentemente exerce maior influência sobre o que precisa mudar, e como a mudança ocorre, do que a igreja faz. Ao contrário do que muitos acreditam, a liberdade do pecado sexual não começa com a abordagem de experiências dolorosas do passado. Tendo aconselhado milhares de homens e mulheres, acho que o primeiro passo para superar o pecado sexual é entender que o mau comportamento sexual é a tentativa arrogante do coração de lidar com a dor, e que a dor em si não é o problema. 

 Um diagnóstico adequado deve ditar o método de tratamento. Se o diagnóstico estiver errado, o tratamento será ineficaz. Mas se acreditarmos em Deus e confiarmos em sua palavra, poderemos receber um diagnóstico correto e conhecer nosso Médico Mestre. 

Jesus afirmou claramente o problema central: “De dentro, fora do coração do homem, vêm maus pensamentos, imoralidade sexual. . . adultério. . . sensualidade ”(Marcos 7: 21–22). Em outras palavras, quando se trata de pecado sexual, Jesus diz que nosso problema central não é o que foi feito para nós, mas o que reside em nós. 

Se nosso principal problema é o pecado – e nossa natureza corrupta e rebelde -, então sabemos o que primariamente precisa ser tratado. Como o diagnóstico determina o tratamento, se o pecado é o diagnóstico, ele deve ser tratado com fé e arrependimento. Com o pecado sexual, a mudança real só pode começar com um verdadeiro arrependimento – uma mudança do coração. 

O arrependimento não é uma recuperação 

Mudança de coração traz alta motivação para mudança de comportamento. Esta não é a motivação de auto-repugnância ou remorso pelo dano causado aos outros, mas um chamado maior. O coração enganoso é uma máquina egocêntrica que exige: “É o meu jeito na vida, relacionamentos e sexo. É tudo sobre mim. ”Portanto, o pecador sexual arrependido desiste do controle ilusório dos desejos pessoais, o controle da própria vida. 

Deixe-me dizer o mais claramente possível: Quando se trata de pecado sexual e vício, a recuperação não é arrependimento, e arrependimento não é recuperação. O arrependimento não é meramente esforço humano. Não é um programa de autoajuda. O arrependimento é o procedimento cirúrgico de Deus, no qual ele não apenas humilha o pecador, mas também realiza uma mudança nele que é visível do exterior. Sim, o pecado sexual cessa, mas um cônjuge fala de um ex-pecador sexual: “Ele é um homem diferente” ou “Ela é uma mulher diferente”. 

 Em arrependimento, o pecador sexual entende que ele quebrou a lei de Deus e é legalmente culpado na corte de Deus. O pecador sexual clama por misericórdia, sabendo que a misericórdia repousa inteiramente no bom prazer de Deus. O arrependimento bíblico não apenas renuncia ao comportamento sexual; renuncia ao mundo, à carne e ao diabo 

 Em arrependimento, o pecador sexual, se dirige, egoísta e autoconfiante para o seu Deus. Seu coração interno mudou e seu desejo controlador é pelo propósito e glória de Deus. Em outras palavras, há um novo impulso interno em direção à maturidade espiritual, relacional e sexual, um esforço “pela santidade sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14). 

 Morte que entrega a vida 

O arrependimento é uma morte. Quando um pecador sexual se arrepende, seu eu morre e Deus reina. É muito mais do que simplesmente abandonar o pecado sexual, mas renunciar a toda a vida. 

 Nesta vida, o pecado estará sempre presente em nós. Mas em verdadeiro arrependimento, a vida do pecador não é mais controlada pelo seu pecado sexual. Em vez disso, ele é governado por um desejo de obedecer a Deus. 

 O verdadeiro arrependimento produz frutos, que vão além da sobriedade. Começa uma mudança de dentro para fora. Não há apenas mudança de comportamento, mas tudo começa a mudar em todos os níveis do seu ser. Um homem se torna um homem diferente; uma mulher se torna uma mulher diferente. 

 E essa transformação do coração traz uma transformação nos relacionamentos. Ele se torna um marido diferente; ela se torna uma esposa diferente. Onde o pecado sexual estava destruindo um relacionamento, o fruto do arrependimento começa a restaurar um relacionamento, pois cada pessoa considera o outro mais importante do que ele mesmo (Filipenses 2: 3). 

 

Originalmente publicado em inglês como “Can You Repent Without Changing?” por Harry Schaumburg © Desiring God FoundationSource: desiringGod.org 
Traduzido por Igor José Santos Ribeiro

Deixe seu comentário