Calouro da faculdade, Bob foi convencido da doutrina da eleição e tem um desejo ardente de ensinar todos os outros. Ele está no “estágio inicial” do Calvinismo. Imagine suas conversas com seus amigos, colegas de faculdade e em sua igreja. Tudo se torna uma ilustração da soberania de Deus. É tudo o que ele quer falar e, se você não concordar com Bob, cuidado! A questão é, quando ensinamos aos outros sobre a Verdade, fazemos isso com orgulho e arrogância condescendentes – nós sabemos uma coisa que eles não sabem – ou nós ensinamos com a humildade de um pedinte compartilhando seu pão com outro morador de rua?

Compromisso é ruim. A cooperação é boa. Mas como você sabe a diferença? Quais são as principais posições doutrinárias que precisamos nos manter firmes e, se necessário, confrontar, e quais são as posições doutrinárias secundárias sobre as quais podemos discordar com caridade e com amor? Eu gostaria de fazer algumas considerações sobre como podemos encorajar uns aos outros a manter a verdade com humildade, definindo seis questões:

1. Nós seguimos mandamentos bíblicos para purificar ou para unir?

2. Quais são algumas das lutas comuns que os cristãos têm?

3. Qual é o propósito específico de cooperar?

4. O que os cristãos devem concordar? (Essenciais)

5. O que os cristãos podem discordar? (Não essenciais)

6. Como os cristãos podem discordar em harmonia?

1. Nós seguimos mandamentos bíblicos para purificar ou para unir?

Primeiramente, seguimos comandos para sermos pessoas de unidade ou pessoas de pureza?

O problema básico

Eu acredito que a maioria dos cristãos reconhece o problema que nos confronta: Nós vivemos em um mundo caído, onde a verdade nem sempre encontrará um lar. O que é verdade não é necessariamente- quase sempre não é – o mesmo que é popular.

Como disse D. Martyn Lloyd-Jones: “Houve períodos na história em que a preservação da vida da própria Igreja dependeu da capacidade e prontidão de grandes líderes para diferenciar a verdade do erro, e se agarrar corajosamente ao bom e rejeitar o falso. Mas nossa geração não gosta nada disso. É contra qualquer demarcação clara e precisa da verdade e do erro “(ital mine, de Martyn Lloyd-Jones, Mantendo a Fé do Evangelho Hoje (1952), 4-5).

Não devemos nos surpreender em momentos como o nosso quando as pessoas se opõem a distinguir a verdade do erro. Na última carta de Paulo, ele adverte: “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas.”(2 Timóteo 4: 3-4).

Paulo estava simplesmente paranoico – excessivamente focado em ideias da Verdade? Eu acho que não. O Senhor Jesus nos ensina a estar alertas. Foi ele quem ensinou: “Porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão sinais e prodígios para enganar, se possível, até os escolhidos”. (Marcos 13: 22-23)

Como estaremos em guarda? Devemos admitir que todos nós tendemos a ser demasiado inclusivos (negligenciando assim o chamado de Deus para pureza e desvalorizando sua verdade) ou muito exclusivo (diminuindo assim a amplitude do amor de Deus e os exemplos surpreendentes do seu trabalho). Você vê como isso acontece? Ao colocar a Palavra de Deus contra si mesma; ao jogar um aspecto do caráter de Deus contra outro – digamos, sua santidade contra o seu amor – nós realmente nos confundimos e ferimos os outros. O que devemos fazer é crescer em nosso conhecimento da Palavra de Deus e nossos próprios corações. Então estaremos mais sintonizados com a Sua verdade, como ele revelou – tanto o seu chamado para a santidade quanto para o amor.

Verdade e humildade não devem ser inimigos. O fato é que eles são grandes amigos, e crescer verdadeiramente em um desses aspectos deve levar ao crescimento do outro. Muitas vezes, porém, nos vemos nos tornando uma caricatura de nossas tendências. Nós nos tornamos uma pessoa de unidade ou uma pessoa de pureza.

As pessoas da unidade

As pessoas de unidade amam capítulos da Bíblia como João 17. Eles percebem claramente que a nossa união uns com os outros atesta a nossa unidade com Deus em Cristo, e que o nosso amor um pelo outro mostra o amor de Deus por nós (como Jesus ensinou em João 13: 34-35). Eles amam as passagens do amor na Bíblia:

“Completa a minha alegria, tendo a mesma mente” (Filipenses 2: 2);

“concordem uns com os outros no Senhor” (Filipenses 4: 2);

“todos concordam uns com os outros que não há divisões entre vocês e que podem estar perfeitamente unidos na mente e no pensamento” (1 Coríntios 1:10);

“Meu propósito é que eles sejam encorajados no coração e unidos no amor” (Colossenses 2: 2).

Houve muitos movimentos de unidade entre os cristãos professos nas últimas décadas. Há uma velha linha liberal ecumênica – “vamos reunir todas as denominações”. Existem ministérios para-eclesiásticos que reúnem pessoas de diferentes igrejas para compartilhar o evangelho – de Billy Graham à Campus Crusade. Existe o movimento carismático, que ajudou a criar a comunhão entre as antigas divisões da igreja. Mais recentemente, houve o que poderíamos chamar de Grande Tradicionalismo, que depende de um “denominador comum antigo”. Você vê isso da maneira atual entre alguns evangélicos de usar métodos e objetos associados ao catolicismo romano e à ortodoxia oriental como auxílios à piedade.

Camisas populares entre a multidão da unidade dizem coisas como “Doutrina Divide” ou “Amor une” ou “Missão une”. Foi desse meio que surgiu um bispo que, não muito tempo atrás, disse: “A heresia é melhor que o cisma”. Esses minimalistas doutrinários querem “nenhum credo exceto Cristo, nenhuma lei além do amor”.

Pessoas de pureza

O oposto das pessoas da unidade são as pessoas da pureza. Eles querem pureza de doutrina e pureza de vida. Eles querem pureza em nossas igrejas, em nossas faculdades cristãs e em nossos seminários. Essas pessoas tomam os mandamentos da Bíblia e querem viver debaixo da lei cegamente. Eles conhecem bem a 2 carta de João: “Se alguém vem a você e não traz este ensinamento, não o leve a sua casa [igreja] nem o dê boas-vindas. Qualquer pessoa que o acolha participa de sua perversa obra” (versos 10-11). Ou o aviso de João em sua primeira carta: “Queridos amigos, não creiam em todo espírito, mas testem os espíritos para ver se são de Deus, porque muitos falsos profetas saíram ao mundo” (4: 1). E também as advertências de Paulo: “afaste-se de todo irmão que está ocioso e não vive de acordo com o ensinamento que você recebeu de nós” (2 Tessalonicenses 3: 6). E “não se unam em jugo com os incrédulos. Pois o que a justiça e a maldade têm em comum? Ou que comunhão a luz pode ter com as trevas? … Portanto saia deles e seja separado, diz o Senhor” (2 Coríntios 6:14, 17).

Acrescente a eles todas as passagens sobre a disciplina da igreja (por exemplo, 1 Coríntios 5), bem como o mandamento de Judas: “…exortando-vos a pelejar pela fé que de uma vez para sempre foi entregue aos santos” (Judas 3). As pessoas que lutam pela fé são os fundamentalistas e os menonitas conservadores entre nós. Esses irmãos e irmãs irão enfrentar mais rapidamente do que cooperar com a obra. Se você for tentado a citar Jesus em Mateus 7: 1 para tais contendores – “Não julgue, ou você também será julgado” – você deverá olhar um pouco mais abaixo na mesma página no verso 15 do mesmo capítulo, onde Jesus ensinou “Cuidado com os falsos profetas”. Eles vêm a você em pele de ovelha, mas internamente são lobos ferozes “(7:15). E, é claro, é Jesus em Mateus 18 que ordena à igreja que expulse os pecadores não arrependidos de sua comunhão!

As pessoas de pureza parecem ter um ministério profético de correção, assim como os puritanos são estereotipados como tal. Os sapatos eram apertados demais, o que os deixava irritados. A abordagem deles para tudo pode parecer do tipo “atire primeiro; faça perguntas depois”. Ao considerarmos as pessoas unidas e as pessoas de pureza juntas, a pergunta que queremos fazer é: como aproveitar o melhor de ambos? O desejo bíblico de unidade e cooperação, assim como o desejo bíblico de verdade e santidade?

2. Quais são algumas das lutas comuns que os cristãos têm?

Por hora, vamos considerar outra pergunta: quais são as lutas comuns entre os cristãos? Há tantos para escolher! Devemos orar pelos mortos? A Reforma Protestante acabou? Devemos apoiar reuniões evangelísticas em toda a cidade que enviam os convertidos para a igreja mais próxima? O quarto mandamento referente ao sábado ainda se aplica hoje? Devemos usar hinos ou coros? Órgãos ou guitarras? Deus elege aqueles que ele prevê que irão aceitá-lo ou ele simplesmente elege? Os dons sobrenaturais ainda estão ativos hoje? A profecia ainda está acontecendo hoje? Deveriam as igrejas aceitar de volta à sua comunhão cristãos arrependidos que negaram a Cristo em tempos de perseguição? As igrejas devem ser lideradas por presbíteros, um único pastor, um bispo de toda a cidade? O que o batismo faz? Quem deveria ser batizado? Quem deve batizar? Como eles devem batizar? Deve o batismo preceder a membresia da igreja? A Bíblia é a única autoridade da igreja? É suficiente? É inerrante? Existem papéis de gênero na Bíblia que devemos seguir hoje? As mulheres

podem exercer cargos de liderança em uma igreja (presbiterianato, diaconismo…)? Qual é o salário apropriado para um ministro cristão? Os cristãos devem dar o dízimo a suas igrejas locais? As crianças devem estar presentes durante todo o culto da manhã? Os cristãos devem enviar seus filhos para escolas cristãs ou escolas públicas? ou deveriam educá-los em casa? Os ministros devem usar roupas que o distingam dos membros da igreja? As reuniões da igreja devem incluir música ao vivo? As igrejas deveriam contratar músicos não-cristãos para tocar em nossos serviços públicos? Devemos acreditar antes de pertencermos ou pertencermos antes de acreditarmos? Ajudar os pobres é uma parte necessária do evangelismo? Suponha que você esteja no meio de tal discordância com outros líderes ou membros de sua igreja. O que você deveria fazer? Eu passaria para a próxima pergunta, a questão número 3.

3. Qual é o propósito específico de cooperar? O propósito importa

Qual é o propósito específico para o qual você está considerando cooperar com outros cristãos? O tipo de cooperação que buscamos determina quanto de concordância é necessária. Eu posso ser amigo de alguém com quem eu não me casaria. Eu posso comprar algo de um indivíduo que eu não contrataria. Eu posso orar com alguém cuja igreja eu não iria participar. Eu posso ler um livro de alguém com quem eu discordo. Eu posso acreditar que alguém faria um bom trabalho em algumas coisas, mas não em outras. Quando se trata de questões religiosas, devemos considerar qual é o propósito de um acordo proposto. Para o propósito de salvação? Com o propósito de pertencer à mesma igreja? Para o propósito de participar da mesma conferência ou trabalhar juntos no mesmo projeto? Qual é a circunstância, a necessidade, o propósito da cooperação? Circunstâncias podem importar.

Nessa linha, os cristãos descobriram que as circunstâncias da ocasião são importantes. Se você mora em uma área onde os cristãos são perseguidos, há mais motivação para cooperar. O número de cristãos pode muito bem ser pequeno e a irmandade difícil de encontrar. Os cristãos nessas circunstâncias podem achar muito mais encorajador em compartilhar e usar os dons de trinta pessoas do que em seis ou sete, cada qual estabelecendo suas próprias assembleias separadas. Circunstâncias como essas levaram muitos cristãos a trabalhar com pessoas de outras denominações mais do que teriam nos Estados Unidos. Em outras palavras, é mais provável que batistas e presbiterianos se reúnam regularmente em Riad, na Arábia Saudita, do que em Raleigh, na Carolina do Norte! À medida que os cristãos na América se tornam mais e mais uma “minoria cognitiva” – um grupo que pensa de maneira diferente da cultura majoritária – nós também podemos nos tornar mais conscientes de nossas semelhanças com outros cristãos do que as gerações passadas de cristãos americanos foram.

Ainda assim, diferentes tipos de cooperação exigem diferentes níveis de concordância. Os requisitos para a membresia da igreja são mais abrangentes do que os requisitos para planejar um evangelismo evangelístico. O nível de concordância necessário entre outros plantadores de igrejas é maior do que o necessário para iniciar juntos bolsas de estudantes universitários. Nós podemos reconhecer outro pessoas como cristãs, em outras palavras, mesmo que não pensemos ser sábio plantar uma igreja com elas. Conferências e eventos únicos podem ser conseguidos com um acordo ainda menor, e traduções da Bíblia com talvez menos ainda. (Posso imaginar que os tradutores da Bíblia concordam em questões de tradução mesmo quando não concordam com o conteúdo do evangelho). E, é claro, os cristãos podem praticar co-beligerância com não-cristãos em algumas questões públicas envolvendo leis e padrões morais. Credos e Confissões Ao longo da história da igreja, os cristãos compuseram credos escritos como o Credo dos Apóstolos e o Credo de Niceno, a fim de afirmar claramente quais crenças eles têm em comum. Confissões como a Confissão de Westminster ou a Confissão de New Hampshire fazem o mesmo. Assim também deve ser com as declarações de fé de igrejas individuais e ministérios para-eclesiásticos. Todos tipos de credos, confissões e declarações expressam o nível básico de acordo necessário para alcançar um objetivo comum.

Continuação na próxima semana.


Originalmente publicado em inglês como: “Together for What?” por Mark Dever. Usado com permissão da 9marks, Washington- DC 20002 https://www.9marks.org Link original: http://www.9marks.org/wp-content/uploads/2008/02/ejournal200852marapr.pdf
Traduzido por Gustavo Carvalho


Já se inscreveu para a Consciência Cristã 2019? Inscreva-se gratuitamente aqui

Deixe seu comentário